Improve the quality of life of children, adolescents and adults. Contact us →

Ô NOITE SANTA!

News & Blog

A promessa de um soldado solitário mudou a véspera de Natal em Denver por 40 anos! Por mais de 30 anos, meu pai dirigiu um pequeno coral de cantores profissionais que cantavam juntos apenas uma noite por ano. Consistia em oito solistas locais de Denver que andavam para cima e para baixo pelos corredores dos hospitais na véspera de Natal e cantavam canções de Natal para os pacientes que estavam doentes demais para ir para casa nos feriados.

A tradição foi iniciada por um homem chamado Frank Farmer, Frank tinha sido um dos soldados perdidos e assustados se recuperando em um hospital militar no final da Segunda Guerra Mundial. A história diz que ele estava prestes a desistir em uma véspera de Natal, até que um pequeno grupo de voluntários começou a cantar pelos corredores e Frank ouviu as velhas canções familiares de sua infância pela primeira vez em muito tempo. Naquela noite, Frank prometeu a Deus que, se um dia saísse do hospital, começaria seu próprio coro de cantores e devolveria aos outros a bênção da esperança que recebera naquele Natal. Quantas vezes nos encontramos em apuros, em apuros ou com dor, e prometemos a Deus que, se ele apenas fizesse isso ou aquilo, nós lhe daríamos algo em troca? Bem, em primeiro lugar, não acredito que Deus faça acordos conosco.

Deus é um Deus de misericórdia, não um Deus de barganhas. Acho que não há nada que possamos negociar com ele para receber sua graça. Essa troca já foi feita para nós por Jesus Cristo. Para não mencionar, acho que Deus nos conhece bem o suficiente para entender que, na maioria das vezes, mesmo quando fazemos barganhas como essa, depois que a tempestade passa, muito poucos de nós se lembram de manter esse lado da barganha. No entanto, Frank Farmer foi um homem que nunca esqueceu seu compromisso de transmitir o presente que recebeu.

Ele retornou a Denver e fundou o Frank Farmer Octet e, por quase 40 anos, os corredores dos hospitais de Denver ficaram cheios de sons de canções natalinas na véspera de Natal. Meu pai se tornou o diretor daquele pequeno grupo quando eu era pequena, minha mãe e minhas irmãs mais tarde cantaram naquele coral e era meu sonho cantar nele também um dia! E a noite em que me tornei membro do Frank Farmer Octet foi a véspera de Natal que jamais esquecerei.

It was the Christmas Eve I had always dreamed of, but never ever could have imagined. I was 16 when I was finally allowed to spend Christmas Eve the way I wanted to, just with my parents! Every Christmas Eve I stayed home with a babysitter while my parents spent it doing something that I will always be proud of, they were part of the Frank Farmer Octet in which all members gave up their Christmas each year to caroling the halls of all the Denver hospitals.

Hospitals don’t like to keep people there over the holidays, and only the very sick are there on Christmas Eve. Year after year, my parents were part of a beautiful and beloved Denver tradition that brought comfort to hundreds of the sick and dying and their families. I begged my parents to let me become one of those singers and finally at 16 they allowed me to become an alto in the group. so long before joining them.

This was not a Christmas party; it was a Christmas mission, and you never knew from year to year how it would end. That year we put on our choir robes, turned on the flickering electric votive candles and followed my father up one hall and down the other.

We drove in the snow across the town from one hospital to the next until we found ourselves at the last one, which the snow almost prevented us from reaching. As we walked down the second floor, a nurse ran out to us from the ICU and called us in. She gathered us around the bed of a man who was obviously in his last hours. His wife leaned over and whispered something to him, and with a great effort, he gave her a slight nod. “Do you know Oh! Holy Night? It is his favorite” she said. My father turned to my mother and gave her a look that said, “Can you do this”? She nodded, and she began to sing in her beautiful clear soprano with the rest of us humming harmony underneath. I will always remember how the tempo she picked was somehow in time with the hollowed beats of the heart machine.

BEEP, BEEP, ♫ Oh Santa Noite, ♫ As Estrelas Estão Brilhando ♫ BEEP, BEEP… quanto mais ela cantava, mais lágrimas escorriam pelo rosto do homem e mais forte sua esposa apertava suas mãos enquanto um após o outro de nós simplesmente não conseguia não cante mais. Mas, mãe, continuou cantando ♫ Fall On Your Knees ♫ BEEP, BEEP ♫ Oh, ouça as vozes do anjo ♫ BEEEEEEEEEEEEEP. E ele engasgou… E ele se foi. E através de suas lágrimas sua esposa sorriu para minha mãe e minha mãe acenou para ela e continuou cantando ♫ Oh Night Divine ♫ Oh Night ♫ Oh Holy Night ♫ e foi uma santa, santa noite. Que o milagre do amor de Deus e seu dom gratuito de vida eterna e paz seja seu neste ano e sempre. Feliz Feliz Natal!

Fonte: Martha Williamson, atouchofencouragement.com, beliefnet.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *